CENTRO DE JOINVILLE GANHA CICLORROTAS

CENTRO DE JOINVILLE GANHA CICLORROTAS

No mês de outubro algumas ruas centrais de Joinville começaram a receber a sinalização especifica para a implantação de ciclorrotas. Na primeira fase do projeto são alguns poucos quilômetros a serem implantados, porém a escolha da região foi estratégica com a proposta de ligar os eixos ciclísticos entre a XV de Novembro, nas proximidades do cruzamento com a Rua Blumenau, até a Rio Branco — antes sem continuidade de infraestrutura cicloviária. Outro ponto determinante para a implantação das ciclorrotas nessas ruas  é o fato de que nelas os veículos já devem circular em  baixa velocidade (30 km/h) contribuindo para o  compartilhamento do espaço sem separação física.

Segundo a arquiteta da Secretaria de Planejamento Urbano e Desenvolvimento Sustentável (Sepud), Taline Rolim, apesar de ser um projeto experimental no sentido de colher resultados quanto à segurança e educação no trânsito, essa modalidade deverá ser ampliada para outras ruas do Centro. Mesmo nos locais sem ciclorrota implantada, o compartilhamento das vias já é previsto pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB).

Essa ação foi justamente pensada para incentivar o uso da bicicleta como meio de transporte, uma vez que a cidade possui uma boa malha cicloviária, porém muitas dessas ciclofaixas e ciclovias não estão conectadas umas com as outras. Com o compartilhamento será possível aumentar essa conectividade — destaca a arquiteta. A implantação do modelo de ciclorrota em Joinville contou ainda com participação da Secretaria de Infraestrutura Urbana (Seinfra) e apoio do Movimento Pedala Joinville.

Luiz Carletto, diretor técnico do Pedala Joinville, diz que o movimento apoia toda iniciativa que incentive o uso da bicicleta e que reforce a segurança dos ciclistas. Ele lembrou que a ciclorrota é também uma forma de educar os motoristas com relação ao uso compartilhado da via com o ciclista. 

A bicicleta como meio de transporte representa 11% da mobilidade urbana joinvilense, o maior índice do Brasil, conforme dado do Movimento Pedala Joinville. Para o consultor do grupo, Laércio Batista Júnior, a implantação das ciclorrotas é vista como um incentivo ao transporte sobre duas rodas, uma vez que a cidade é plana e propícia ao uso do veículo. A tendência é de que número de adeptos venha a crescer, uma vez que a ciclorrota é, na prática, uma extensão segura das ciclofaixas e ciclovias. — “Essas ciclorrotas e o compartilhamento da via com outros meios de transporte em zonas calmas já é uma realidade no mundo e essa é a maior prova de que a bike é um veículo em trânsito importante. Ficamos felizes com a coragem do Sepud em fazer essa implantação, que embora experimental, é um avanço e ajuda a resgatar o uso da bicicleta na cidade — aponta o consultor.

Ainda segundo o Laércio Batista Júnior, do Pedala Joinville  para que a iniciativa funcione com segurança, é necessário respeito mútuo entre motoristas e ciclistas. "O ciclista faz parte do trânsito e tem que seguir normas, respeitar o sentido da via, os semáforos e a sinalização. O trecho compartilhado estabelece o posicionamento dele na rua e, na medida em que isso é respeitado pelo ciclista, é também pelos outros motoristas e pedestres", sinaliza.

Foto: Salmo Duarte

(Prefeitura de Joinville - A Notícia)

Admin

29 Novembro 2017

Mobilidade

Comentários

Destaque

No Rio Grande do Sul legisladores aprovam projeto de lei que prevê ciclovias em todos os projetos rodoviários ou em estradas em fase de construção